Archive for Novembro, 2008

h1

Vómito

Novembro 30, 2008

17-pintura


Anúncios
h1

“Banho”. Mas… onde está o Sabão?

Novembro 30, 2008

fotosabao

h1

Príncipe

Novembro 29, 2008

16-pintura

Saído das trevas desenhaste a tua própria sina. Arrogante, impiedoso, inconsciente. Destruíste o reino que ternamente herdaste em teu berço doirado. Não quiseste, não aceitaste, não recebeste. Nem a tua peculiar e insistente consciência que te martelava o cérebro, qual papagaio falante, tu escutaste. Culpas-te agora, lastimas-te, lamentas-te, reprovas-te, incriminas-te a ti próprio. Nenhuma alma te salvará, príncipe. Ninguém te acudirá. Não me olhes. Não me fixes, não implores, nada mais poderei fazer por ti. Terás de ser tu e só tu, a olhar nas entranhas e erguer teu novo reino do nada. Resta-te cessar o passado e voar vitorioso rumo a um qualquer infinito.

Texto de AL

h1

Princesa

Novembro 28, 2008

15-pintura

Conheci sem querer, numa qualquer encarnação, uma princesa sublime.

Seu porte humilde abafou-me de tão altivo. Seu olhar singelo penetrou-me de tão intenso. Em sua calma expressão senti-lhe o pânico, não sei de quê. E em tão grande contradição me questionei “a que reino pertences, bela princesa?”

Inesperadamente move-se na pintura, olha-me fixamente e sussurra firmemente “ao do teu sonho, majestade!”

Texto de AL

h1

Tormento

Novembro 28, 2008

14-pintura2

… e no meio da fúria desmanchou o mundo, desmantelou-o pedaço a pedaço, esborratou-o como pintor enraivecido. Tal e qual sentia o seu cérebro.

Depois, calmamente, olhou a tela e pensou “misturado, este astro talvez tenha salvação!” e lá no fundo, lá bem no fundo, vislumbrou uma árvore erguida, o azul de um mar, um raio de sol e sorriu, quando até a assinatura lhe pareceram dois seres entrelaçados em procriação, caídas as roupas no chão.

Texto de AL

Peço desculpa a quem comentou mas isto deu o peido e tive de publicar de novo.

h1

Pintura do dia

Novembro 26, 2008

10-pintura1

– Peixes, senhora, peixes!

– Mas eu já lhe expliquei que…

De olhos arregalados, a dupla olhava atónita a discussão. Numa transmissão de pensamentos, que desconheço se possuem, pareciam entender-se, numa dúvida comum “estes humanos são tão complicados!…”

Texto de AL

Obrigado, escritora misteriosa!

h1

Post “Para oferecer…” Pensamento vencedor!

Novembro 25, 2008

“Há muito que não se viam. Consequência de vidas discrepantes, percursos diferentes, caminhos contrários.
Afinal, eram tão distintos um do outro. Ele moreno, taciturno, circunspecto, silencioso. Do cimo da sua estatura alta, do seu corpo atlético, sua imponência.
Ela no seu olhar esmeralda penetrante, frágil o corpo, poderosa a mente, sorriso cintilante, a segurança inabalável.
Cruzaram-se, por acaso, naquele corredor silencioso de acesso aos escritórios. Olharam-se de relance distraidamente. E, quando já nada fazia prever, repentinamente, os olhos de ambos luziram, resplandecentes, na recordação de um passado distante, mas intenso. Inolvidável!”

AL