h1

Príncipe

Novembro 29, 2008

16-pintura

Saído das trevas desenhaste a tua própria sina. Arrogante, impiedoso, inconsciente. Destruíste o reino que ternamente herdaste em teu berço doirado. Não quiseste, não aceitaste, não recebeste. Nem a tua peculiar e insistente consciência que te martelava o cérebro, qual papagaio falante, tu escutaste. Culpas-te agora, lastimas-te, lamentas-te, reprovas-te, incriminas-te a ti próprio. Nenhuma alma te salvará, príncipe. Ninguém te acudirá. Não me olhes. Não me fixes, não implores, nada mais poderei fazer por ti. Terás de ser tu e só tu, a olhar nas entranhas e erguer teu novo reino do nada. Resta-te cessar o passado e voar vitorioso rumo a um qualquer infinito.

Texto de AL

Anúncios

3 comentários

  1. En cantado o príncipe pela serpente…
    Beijinho das nuvens


  2. Achas?
    Beijinhos da terra


  3. Começo a ficar repetitivo.

    Excelente texto e pintura.

    Abraços



Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: